A “verdade” sobre João 8:32

Chegando ao final de mais um ano aqui no Dando a cara a tapa, vamos recorrer a uma das seções mais incompreendidas deste espaço: a sempre vilipendiada Religião. Mas, para sair do encanto fácil de falar algo batido sobre o Natal ou o nascimento de Jesus, iremos analisar um tema do momento: o agora famoso capítulo 8, versículo 32, do Evangelho segundo João.

Como todo mundo sabe, o Evangelho de João compõe, ao lado de Mateus, Marcos e Lucas, os evangelhos canônicos, o que popularmente todos nós conhecemos como “Novo Testamento”. Em “substituição” ao Antigo Testamento, celebrado por Deus diretamente com o povo judaico, o Novo Testamento restabelece as bases da relação do homem com o divino. Se antes o, digamos, “objetivo” era que os judeus rejeitassem qualquer outro culto e admitissem Jeová como o seu único Deus, agora a “Nova Aliança” proposta por Jesus destina-se a salvar a humanidade amaldiçoada pelo pecado através do arrependimento sincero e do amor a Deus. Não por acaso, o “Deus” do Antigo Testamento é inteiramente “diferente” do do Novo: o anterior era vingativo, inclemente, quase rancoroso; o seu sucessor é amoroso, piedoso, um poço de compaixão.

Dos quatro evangelhos canônicos, João é disparado o mais místico e espiritual de todos eles. Seu começo deixa logo isso claro a qualquer um:

“1 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”.

Evidentemente, “verbo” não está aí na sua acepção comum, terrena, de uma palavra que indica uma ação ou alguma mudança de estado. Ao dizer que “no princípio era o Verbo”, o evangelista está a explicar que Deus é eterno; estava no começo de todas as coisas, e todas as coisas só são por sua causa. A segunda parte é autoexplicativa: a palavra de Deus é Deus e ponto, não se podendo estabelecer qualquer espécie de dissociação entre um e outro. Deve-se destacar que esse tipo de abordagem é exclusiva; nenhum dos outros três evangelistas estabelece esse tipo de relação entre Deus (ou Jesus) e a sua palavra.

Dito isto, a leitura de todo o Evangelho de João deve ser feita tendo isso em mente: trata-se do evangelho mais “metafórico” do Novo Testamento. Nada, portanto, pode ser lido “literalmente”, senão depois de um profundo estudo do que verdadeiramente representa cada palavra.

Pois bem. Qual o “problema” com João 8:32?

O capítulo oitavo do Evangelho de João contém um longo debate entre Jesus e os fariseus, ocorrido durante a Festa dos Tabernáculos, que celebra a colheita no calendário judaico. Continuando a discussão que começara no capítulo anterior, os fariseus continuam a tentar pegar Jesus no contrapé. A idéia, como parece óbvio, era desacreditar Jesus como filho de Deus ou mesmo seu profeta, qualificando-o como sacrílego.

Na primeira batida, os fariseus confrontam Jesus com a mulher flagrada em adultério. Como a Lei de Moisés ordenava que se lhe apedrejasse até a morte, perguntam então o que fazer com ela. Jesus tira de letra o desafio: “Se algum de vocês estiver sem pecado, seja o primeiro a atirar pedra nela” (João 8:7). Uma vez que não houvesse ninguém na multidão que preenchesse esse requisito, a mulher se salva. Jesus então pergunta: “Ninguém a condenou?”. “Ninguém, Senhor”, responde ela. E então Jesus sentencia: “Eu também não a condeno. Agora vá e abandone sua vida de pecado” (João 8: 10-11).

A segunda parada diz respeito à natureza divina de Jesus: “Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida” (João 8:12). Ao que os fariseus replicam: “Você está testemunhando a respeito de si próprio. O seu testemunho não é válido!” (João 8:13). E mais uma vez Jesus deixa os fariseus com a brocha na mão: “Ainda que eu mesmo testemunhe em meu favor, o meu testemunho é válido, pois sei de onde vim e para onde vou. Mas vocês não sabem de onde vim nem para onde vou” (João 8:14).

Finalmente, chegamos à terceira confrontação entre os fariseus e Jesus. Jesus diz: “Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos” (João 8:31), para então completar: “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará” (João 8:32).

Aturdidos, os fariseus contestam: “Somos descendentes de Abraão e nunca fomos escravos de ninguém. Como você pode dizer que seremos livres?” (João 8:33). E Jesus responde com paciência divina: “Digo a vocês a verdade: Todo aquele que vive pecando é escravo do pecado” (João 8:34). E conclui: “Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres” (João 8:36).

Dessa forma, pode-se verificar que, quando Jesus faz referência a “verdade” no versículo 32, não está se referindo exatamente ao vocábulo “verdade”, mas, sim, a Ele mesmo. Jesus éverdade. Por isso, quando os pecadores enfim o reconhecerem como tal, a “Verdade” – ou seja, “Jesus” – os libertará. E só assim eles serão “de fato livres”.

O erro, portanto, do Presidente Jair Bolsonaro – e de tantos outros que o seguem – é o de fazer uma leitura rasa e desatenta do texto bíblico, ignorando que o vocábulo “verdade” não se encontra aqui no seu uso regular, mas, sim, como “sinônimo” do próprio Jesus. O dito bíblico, em resumo, nada tem a ver com tentar ensinar o crente a não mentir, mas, sim, em mostrar que Jesus é a única salvação do indivíduo. Afinal, como diz João em outra passagem de seu Evangelho, Ele é “o caminho, a verdade e a vida” (João 14:6).

Boa reflexão a todos.

Esse post foi publicado em Religião e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para A “verdade” sobre João 8:32

  1. Kellyne disse:

    Belo texto, meu amigo! Que nas reflexões de fim de ano todos nós cristãos nos lembremos de que a verdade está em Jesus e no seu exemplo de amor como partilha e compaixão não só com aqueles que vemos como semelhantes, mas especialmente com os diferentes. Nas palavras do próprio Cristo:
    “Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próximo, e odiarás o teu inimigo.
    Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus;
    Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.
    Pois, se amardes os que vos amam, que galardão tereis? Não fazem os publicanos também o mesmo?
    E, se saudardes unicamente os vossos irmãos, que fazeis de mais? Não fazem os publicanos também assim?
    Sede vós pois perfeitos, como é perfeito o vosso Pai que está nos céus” (Mateus 5:43-48).

    Muitas vezes é difícil seguir os passos dele, mas, ainda assim, fazê-lo é o único caminho, verdade e vida.

    Saudades de vocês! Beijos

Deixe uma resposta para Kellyne Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.