Recordar é viver: “13 dias que abalaram o mundo”

Retomando as tradicionais sextas-feiras com os posts mais memoráveis deste espaço, vamos recordar um dos primeiros da seção de História.

Com o bônus, nesse caso, de haver um filme que a conta.

O tempo passa e a recomendação para assisti-lo só se torna mais forte.

É o que você vai entender, lendo.

13 dias que abalaram o mundo

Publicado originalmente em 18.2.11

Provavelmente nenhum dos seguidores deste blog era nascido nessa época, mas por um curto período de tempo de 13 dias, em outubro de 1962, o mundo prendeu a respiração e ficou em suspense.

Um avião-espião americano flagrara os soviéticos instalando mísseis nucleares em Cuba. O problema? Àquela distância, com os mísseis instalados, os soviéticos teriam a chamada first strike capability, ou seja, a capacidade de atacar o inimigo primeiro, causando danos tão consideráveis ao oponente que tornariam o contra-ataque muito menos doloroso.

John Kennedy, então presidente dos EUA, viu-se diante um dilema: atacar ou negociar com os soviéticos?

Contra ele e seu irmão, Bob Kennedy – Attorney General, um tipo de Advogado-geral da União misturado com ministro da Justiça – pesava a desconfiança herdada de seu pai, Joseph Kennedy, um dos arquitetos do Acordo de Munique. Por esse acordo, as potências aliadas concordaram com a anexação da Áustria pela Alemanha de Hitler (Anchluss, em 1938). Daí vem o termo maldito em relações internacionais: apaziguamento. A tese é simples: o apaziguamento só torna o agressor mais agressivo.

Kennedy e seu staff mais próximo foram colocados contra a parede pelos militares. Eles queriam se redimir pelo desastre da Baía dos Porcos, em que cubanos exilados, com apoio americano, desembarcaram em Cuba para tentar derrubar Fidel Castro (1961). Na hora do pega pra capar, Kennedy negou-se a dar apoio aéreo aos invasores, o que acabou detonando o plano de invasão. Essa era uma oportunidade única.

Andando no fio da navalha e desviando-se de todas as cascas de banana que jogavam em seu caminho, Kennedy consegue evitar que a crise dos mísseis acabe num holocausto nuclear.

O drama desse período foi resumido magnificamente num filme chamado 13 Dias. Produzido por Kevin Costner, 13 Dias revela o quão próximo o mundo chegou perto do fim naqueles dias tensos de outubro de 1962.

Ok. Kevin Costner supervalorizou seu próprio papel, atribuindo a Kenny O´Donnell – assessor especial do presidente – uma relevância que não corresponde fielmente à verdade histórica. Mas as interpretações dos demais atores, principalmente de Bruce Greenwood como John Kennedy, já valem o filme. Se puder, não deixe de vê-lo. São duas horas de entretenimento com o bônus de servir de aula de história.

Na melhor dos hipóteses, você vai ver como a determinação de um único homem foi capaz de tirar o mundo das portas da 3ª Guerra Mundial. Na pior, vai ter um curso rápido de como conduzir reuniões, coisa na qual Kennedy revela-se um mestre.

Abaixo, o trailer do filme:

Anúncios
Esse post foi publicado em Recordar é viver e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s