Feliz 2012

Esse post deveria ter sido escrito no dia 24 passado. Mas, dada a impossibilidade de conciliar a agenda de afazeres pessoais com as obrigações perante os leitores aqui do blog, vai agora, com algum atraso.

Mais um ano se acaba. E outro ano novo chegará. Li certa vez – não me recordo o autor – que a pessoa mais abençoada do mundo foi aquela que inventou o calendário. Do ponto de vista cronológico, não há diferença entre alguma entre a passagem do dia 31 de dezembro para o dia 1o. de janeiro. É a mesma passagem da noite para dia, igual a qualquer outro do ano.

Mas, de certa forma, essa noite traz algo de especial. O sujeito que inventou o calendário deve ter pensado que a vida seria muito chata e angustiante se se limitasse a uma sucessão enfadonha de dias, caminhando inevitalmente para o fim de todos os nós. Virar a página do calendário é como  deixar pra trás todas as frustrações, as infelicidades e os sonhos não realizados e se encher novamente de sonhos e desejos. E, de algum modo, o simples virar da folhinha faz com que você realmente passe a acreditar que eles se realizarão. Esperança, eis a chave do mistério do ano novo.

Entretanto, mais do que pensar no futuro, naquilo que o ano novo pode trazer de bom, o fim de ano deveria ser um momento de pausa para reflexões. Mais do que esquecer, o fim de ano é momento de recordar. De certo modo, a mágica renovação do ano novo tem o poder de enclausurar o sujeito num círculo vicioso. Esquecendo-se do que fez ou do que deixou de fazer, o sujeito arrisca-se a repetir os mesmos erros que o conduziram às frustrações e infelicidades do ano que passou.

Por isso, o final de ano é momento de se olhar no espelho. Debater com a imagem do outro lado. Perguntar a ela: você está satisfeito com a vida que leva? Você fez tudo que podia para mudá-la? Você está fazendo a diferença naquilo que faz e para as pessoas que ama?

Se a imagem no espelho não tiver respostas satisfatórias, é sinal de que algo está errado. Se isso acontecer, guarde o debate em sua memória. Não deixe que o ano novo se transforme num ritual eufórico segundo o qual você passa a borracha no ano que passou. Pense naquilo que você fez porque, assim, você conseguirá fazer diferente – e melhor – no ano que virá.

Por outro lado, se as respostas forem positivas, melhor ainda. Não esqueça o que você fez de bom. Na medida do possível, tente repetir os acertos e melhorá-los. Lembrar-se das coisas boas ajuda a enfrentar as adversidades com mais disposição e melhor ânimo.

Recordar é viver, eis a mensagem de ano novo que gostaria deixar para vocês.

Um feliz 2012 para todos.

O Autor

Ps.: O blog e seu autor estarão de férias nos próximos dias. Retornaremos com todo o gás, sem esquecer o ano que passou, no dia 9 de janeiro. Até lá, pra quem quiser rememorar os fatos e os comentários deste ano de 2011, sugiro clicar aqui ao lado, na parte dos arquivos. Fuçando o que o autor disse e escreveu sobre 2011, é possível saber se vale a pena continuar freqüentando este espaço.

Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Feliz 2012

  1. Mourão disse:

    Feliz férias e melhor ainda ano- novo, meu caro aristocrata.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.