Um japonês perdido em Versailles; ou o porquê de saber inglês para viagens

Uma lenda recorrente – e já rebatida aqui – diz que os franceses só falam francês. Viram a cara, fazem cara feia ou fingem que não entendem quando você fala em inglês com eles.

Isso é conversa.

Os franceses em geral são muito cordiais. À medida que você se afasta de Paris, a cordialidade aumenta. Mas isso só porque em Paris há muita coisa, menos franceses. Se um francês não entender quando você falar em inglês, acredite: é porque ele realmente não sabe falar inglês.

No circuito turístico em geral, todo mundo arranha bem o inglês. O sotaque é bem carregado, mas nada que prejudique o entendimento.

Isso tudo é só pra lembrar o seguinte: tudo bem que você não fale outras línguas. Mas se você viaja a um país estrangeiro sem estar acompanhado de uma excursão, você tem que saber falar inglês.

E não basta aquele cursinho de férias do Pink and Blue Freedom. Tem que saber falar mesmo. Ou, na pior das hipóteses, entender pelo menos.

Certa vez, eu e Ana O. fomos de Paris a Versailles conhecer o Palácio e seus deslumbrantes jardins.

Parênteses. Pra quem quiser ir, basta pegar um trem de RER – o metrô suburbando de Paris. É mais barato e mais agradável do que pegar ônibus de excursão. Pega-se a linha amarela em direção a Versailles Rive Gauche. Desce-se na última estação, anda-se dois quarteirões e pronto, chega-se ao Palácio. É altamente recomendável comprar antes o Paris Museum Pass, porque você entra direto, escapando de duas filas intermináveis: a da compra do ingresso, e a de entrar no Palácio. Fecha parênteses.

Ao chegar em Versailles, Ana O. ponderou que seria melhor comprar logo o bilhete do RER da volta, já que, à altura em que voltássemos, era possível que a fila estivesse muito grande.

Ok. Saímos do trem e fomos direto à bilheteria. Vazia. À nossa frente, apenas um japa, ou um sujeito oriental qualquer.

Ficamos a tocar dois dedos de prosa enquanto o japa comprava seu bilhete. Sem nos darmos conta do tempo passando, de repente vimos que estávamos há uns 10 minutos na fila e o japa continuava lá no guichê.

“Ora bem, que raios esse japa ainda tá fazendo aí?”

Passamos a prestar atenção na conversa.

O sujeito repetia incessantemente:

“I want a ticket for the palace”.

Ao que a menina novinha do guichê respondia pacientemente:

“You can buy the ticket for the palace in the palace, not here”.

E o japa insista:

“Yes, the palace! I want a ticket for the palace”.

Exasperada, a menina do guichê falou, em alto e bom som, sílaba por sílaba, gesticulando com as mãos pra ver se ele entendia:

“THE-TI-CKET-FOR-THE-PA-LA-CE-YOU-BUY-IN-THE-PA-LA-CE! THIS-IS-NOT-THE-PA-LA-CE, THIS-IS-THE-TRAIN-STA-TION”!

Depois de tantos foras, acho que o sujeito pensou que a francesinha tinha algum preconceito contra orientais e finalmente desistiu de comprar o ingresso para o Palácio. Resignado, saiu da estação carregando sua mochila com eletrônicos.

Quando chegamos no guichê, disse:

“We want to tickets for the palace”!

Sorrindo, a menina respondeu:

“NNNNNNOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!”

Esse post foi publicado em Dicas de viagem. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Um japonês perdido em Versailles; ou o porquê de saber inglês para viagens

  1. Rômulo César Júnior disse:

    é um pessimo habito braisleiro, mas as vezes bem util: prestar atenção nas conversas dos outros.:)))))

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.