A Abominável Língua Alemã

Saber línguas estrangeiras é uma mão na roda quando você viaja.

Tudo bem que com um inglesinho básico você se vira em qualquer canto. Mas fale com um francês, um italiano ou um espanhol na língua deles; você vai ver como a reação será diferente. Um sorriso brotará espontaneamente no rosto de seu interlocutor.

O problema é o alemão. Aprender alemão não é pra quem quer; é pra quem pode.

De fato, estou pra ver uma língua tão difícil como o alemão. Em línguas semelhantes ao português, como francês, o italiano e o espanhol, você facilmente se adapta às variações lingüísticas e, por mais que tenha dificuldade em falar, entender o que as pessoas falam ou escrevem não chega a ser grande problema, se você tiver um conhecimento básico da língua e fizer um curso de imersão de uns 6 meses.

Agora, com o alemão, você pode passar uns 2 anos por lá que não vai adiantar nada. Você vai se sentir tão analfabeto quanto antes. A não ser que você já tenha um conhecimento profundo da língua

Mark Twain, a língua mais rápida do oeste, um dia resolveu visitar a Alemanha.  Espantando com a dificuldade da língua alemã, resolveu escrever um livro: The Awful German Language, algo como A Abominável Língua Alemã. Mark Twain admirava-se com o fato de que, em algumas construções frasais, você tinha que esperar o final da frase pra entender qual era o sentido do verbo no meio dela (Abfahren, por exemplo, quando conjugado, vira sujeito+fahren+objeto+ab).

Mark Twain gostava de dizer que preferia declinar 2 drinks a declinar um adjetivo em alemão. A conclusão dele não poderia ser outra: um estudante bem dedicado leva 30 horas para aprender inglês, 30 dias para francês e 30 anos para o alemão.

Isso me lembra um email que circulou há bastante tempo. Exagerado, claro, mas dá uma idéia de como aprender alemão é difícil. Aí vai:

“A língua alemã é relativamente fácil. Todos aqueles que conhecem as línguas derivadas do latim e estão habituados a conjugar alguns verbos podem aprendê-la rapidamente. Isso dizem os professores de alemão logo na primeira lição. Primeiro, pegamos um livro em alemão, neste caso magnífico volume, com capa dura, publicado em Dortmund, e que trata dos usos e costumes dos índios australianos Hotentotes (em alemão”Hottentotten”).

Conta o livro que os cangurus (Beutelratten) são capturados e colocados em jaulas (Kotter), cobertas com uma tela (Lattengitter) para protegê-las das intempéries. Estas jaulas, em alemão, chamam-se jaulas cobertas com tela (Lattengitterkotter) e quando possuem em seu interior um canguru, chamamos ao conjunto de “jaula coberta de tela com canguru “(Beutelrattenlattengitterkotter). Um dia, os Hotentotes prenderam um assassino (Attentäter), acusado de haver matado a uma mãe (Mutter)  hotentotes (Hottentottermutter), mãe de um garoto surdo e mudo (Stottertrottel).  Esta mulher, em alemão, chama-se Hottentottenstottertrottelmutter e a seu assassino chamamos, facilmente, Hottentottenstottertrottelmutterattentäter.

No livro, os índios o capturaram e, sem ter onde colocá-lo, puseram-no numa jaula de canguru (Beutelrattenlattengitterkotter). Mas, incidentalmente, o preso escapou. Após iniciarem uma busca, rapidamente vem um guerreiro Hotentotes gritando:

– Capturamos um assassino (Attentäter)

– Qual?? – pergunta o chefe indígena

– O Lattengitterkotterbeutelrattenattentäter – comenta o guerreiro.

– Como? O assassino que estava na jaula de cangurus coberta de tela? diz o chefe dos Hotentotes.

– Sim – responde a duras penas o indígena –

O Hottentottenstottertrottelmutterattentäter (assassino da mãe do garotosurdo e mudo).

– Ah, demônios – diz o chefe – você poderia ter dito desde o início que havia capturado o Beutelrattenlattengitterkotterhottentotterstottertrottelmutterattentäter (assassino da mãe do garoto surdo e mudo que estava na jaula de cangurus coberta de tela).

Assim, através deste exemplo, podemos ver que o alemão é facílimo e simplifica muito as coisas. Basta um pouco de interesse”.

Esse post foi publicado em Dicas de viagem, Variedades. Bookmark o link permanente.

8 respostas para A Abominável Língua Alemã

  1. Kellyne disse:

    Essa história do final é ótima, impagável! Fez surgir até uma vontade de entrar em um curso de alemão agora mesmo! rs Aliás, esses seus posts sobre temas europeus me dão uma nostalgia das aventuras em solo lisboeta… Bjos

  2. FB disse:

    E só recentemente, lá na minha primeira aula da Deutsche Akademie, me desiludiram dizendo que “aftasardemhemorróidasidem” não é expressão alemã…

  3. José Daladie / Massoterapeuta disse:

    Compreender qualquer idioma no amplo sentido da palavra é difícil, vai mais além do simples se comunicar… é entender os gestos, códigos, nuances, tonalidades e intenções. Nada fácil. Imagina tudo isso em alemão? Tem que nascer de novo e na Alemanha? 🙂

  4. Mourão disse:

    Senti falta do comentário de nosso conhecido Alemão (por autoadoção voluntária), será que ele seria capaz de copiar corretamente uma dessas palavrinhas que você escreveu?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.