A grafia das horas e das datas, ou Cuidado com as convenções equivocadas

Faz tempo que não rola nada aqui sobre a nossa querida e tão maltratada língua. E como um dos objetivos deste espaço é difundir o uso correto do idioma lusitano e denunciar as barbaridades que se praticam contra ele, vamos retomar a seção com alguns dos equívocos mais comuns do português corrente.

Em primeiro lugar, recordemos a grafia das horas. Não, não estamos falando aqui da grafia normal das horas. Exemplo: oito horas, ou três horas. Quanto a isso, parece não haver dúvida de que todo mundo sabe escrever corretamente. O problema ocorre, no entanto, quando as horas precisam ser indicadas através de algarismos indo-arábicos, em especial quando as horas não são inteiras, mas fracionadas.

Se um sujeito, por exemplo, dez horas e trinta e cinco minutos. Na imensa maioria dos jornais, livros, blogs e tweets da vida, você encontrará essa hora representada da seguinte forma: “10:35”. Apesar de extremamente difundida, tal prática encerra um erro.

Na verdade, o modo correto de escrever as horas, nos casos em que se faz uso de algarismos arábicos, é usar a letra “h” para designar a hora e a expressão “min” como abreviatura de minuto. Logo, no exemplo citado, deveríamos escrever 17h35min. Alguns gramáticos mais liberais aceitam até mesmo a troca do “min” por simplesmente “m”, variante da qual resultaria “17h30m”. Seja como for, o único caso em que a separação de dois números por dois pontos faz sentido é quando se faz referência a capítulos e versículos da Bíblia (Jo 12:24, v.g.). Do contrário, evite escrever dessa forma, a menos que, como dizia o grande ML, você porte um relógio digital japonês de quinta categoria, falsificado ainda por cima.

Outro erro comum diz respeito à escrita da data. Em muitos lugares (especialmente em petições jurídicas), é possível encontrar o milhar do ano separado por ponto. Por exemplo: 11/10/1.999. Isso é erro, e erro crasso. Caso você seja muito afeiçoado à escrita matemática, pode até cortar o milhar e deixar apenas as duas últimas unidades para designar o ano (11/10/99). Mas nunca – nunca mesmo – separe o milhar por ponto, quando se tratar de referência a data.

Quanto ao modo de separar os dias dos meses e dos anos, há muitas possibilidades. Pode-se usar as barras, como no exemplo acima, ou se pode recorrer ainda aos traços ou pontos (11-10-1999 ou 11.10.1999). No entanto, evite sempre utilizar os zeros à esquerda nas hipóteses de dias ou meses.

O dia 3 de janeiro de 2007, por exemplo, deve ser representado como 3.1.07. Embora não seja absolutamente equivocado escrever 03.01.07, a norma culta recomenda o uso do zero à esquerda apenas nos anos, por motivos mais do que evidentes. Ah, e não se esqueça, obviamente, da obrigatória referência ao número ordinal quando se tratar do primeiro dia de cada mês (ex: 1º.6.10).

Espero que essas modestas dicas vos tenham ajudado.

Porque escrever é preciso…

Anúncios
Esse post foi publicado em Dicas de português e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s