Uma nova Guerra Fria?

No meio de tanta confusão rolando no país, acabou passando em branco um assunto bem palpitante no cenário internacional: a declaração do ex-dirigente da União Soviética, Mikhail Gorbachev, de que “estamos à beira de uma nova Guerra Fria”. Pronunciada na esteira das comemorações pelos 25 anos da queda do Muro de Berlim, a declaração ganhou o tom de alerta profético que costuma cercar as análises dos grandes expoentes da geopolítica.

Como todo mundo sabe, a Guerra Fria foi um conflito ideológico de quatro décadas entre Estados Unidos e União Soviética. De um lado, os representantes do “mundo livre”, capitalistas, (às vezes) democráticos e (quase todos) ocidentais. Do outro, os adeptos do bloco soviético, socialistas, totalitários e (quase todos) orientais.

A principal marca da Guerra Fria foi a corrida armamentista entre as duas superpotências emergentes da II Guerra Mundial. Numa disputa desenfreada para saber quem tinha mais mísseis nucleares capazes de mandar o mundo de volta à Idade da Pedra, Estados Unidos e União Soviética chegaram à década de 80 com um arsenal capaz de destruir a Terra ao menos uma centena de vezes. Felizmente o arsenal atômico nunca foi utilizado; serviu apenas para dissuadir o inimigo de iniciar uma guerra de destruição total.

Mesmo assim, as fricções ocasionais entre EUA e URSS – como a crise dos mísseis – sempre faziam toda a gente prender a respiração, deixando o mundo à beira de um ataque de nervos. Havia sempre a expectativa de alguém com a cabeça mais esquentada apertar inadvertidamente o botão vermelho. E então seria o fim de tudo.

A grande questão, contudo, é a seguinte: há mesmo o risco de vivermos uma nova Guerra Fria?

Ao contrário da previsão sombria de Gorbachev, este que vos escreve, modestamente, acredita que o temor é infundado. Muito embora o nível de tensão esteja mais alto do que o normal nos últimos tempos, especialmente depois da crise da Ucrânia, há várias razões a desautorizar o paralelo histórico.

Em primeiro lugar, não há mais o embate ideológico que marcou aquela tensa metade do século XX. Desde a queda do Muro, o paradigma ocidental venceu, e venceu inapelavelmente. Ninguém em sã consciência diria que se pratica na Rússia de hoje algo parecido ao pregado pela doutrina socialista que dominou o período soviético. No fundo, o que há é um misto de cleptocracia com um ambiente selvagem de competição capitalista. Nada que possa lembrar o modelo de economia planificada e inteiramente estatizada dos tempos de URSS.

Em segundo lugar, não existe muito espaço para uma corrida armamentista semelhante à das décadas de 60, 70 e 80. Nem de um lado, nem do outro, existe disposição para encarar o custo político de gastar bilhões com armamentos de enfeite, cuja missão será apenas ficar exposto na vitrine como instrumento de dissuasão militar. Fora isso, com o arsenal de que dispõe, não faz muito sentido para Estados Unidos ou Rússia enterrar dinheiro com algo que já têm.

Em terceiro e último lugar, o cenário mundial, hoje, é completamente diferente do cenário descortinado no pós-1945. Quando a II Guerra Mundial acabou, os Estados Unidos eram uma potência econômica sem paralelo, credores de metade do mundo e com um PIB que triplicara durante o conflito. Já a União Soviética exibia o mais temido exército do mundo, acabara de anexar metade da Europa e tinha todos os fatores pós-crise a seu favor para ajudar na reconstrução do Leste Europeu. Hoje, os Estados Unidos ainda cambaleiam depois da crise do subprime, enquanto a Rússia se vê às voltas com uma crise se avizinha por conta da queda do preço internacional do petróleo.

Tudo considerado, é no mínimo duvidoso que as antigas superpotências resolvam se engalfinhar novamente em um conflito ideológico, principalmente quando não há ideologias a propalar. É mais fácil acreditar em ambos se ocupando de seus próprios problemas internos do que tentando expandir sua área de influência para intimidar o oponente geopolítico.

O que pode acontecer – e aí o cenário é inteiramente crível – é o aprofundamento das divergências entre Estados Unidos e Rússia, de maneira que um bloqueie a ação de outro em países nos quais os interesses de ambos entrem em conflito. É o caso, por exemplo, da Síria, onde a crise instaurada pela guerra civil contra Bashar Al-Assad dificilmente chegará a bom termo se americanos e russos não entrarem em acordo. Considerando que tanto um como outro detém poder de veto no Conselho de Segurança das Nações Unidas, o mundo inteiro pode sofrer as conseqüências se a diplomacia for bloqueada pelo gelo.

Para bem e para o mal (mais para o bem), a Guerra Fria não passa de um retrato na parede de uma época que, oxalá, não viveremos mais. Já temos desafios futuros demais para ficarmos nos assombrando com fantasmas do passado.

Esse post foi publicado em Política internacional e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.