A Catedral de Santiago de Compostela

Acho que todo mundo já ouviu falar do Caminho de Santiago. Desde mais de um milênio atrás, peregrinos do mundo inteiro partem da França ou da própria Espanha em direção à Galícia. Seja em busca de aventura, seja em busca da redescoberta da fé, seja em busca de si mesmo, o destino de todos eles é um só: a Catedral de Santiago de Compostela.

Catedral de Santiago de Compostela

Construída entre os séculos XI e XII, a Catedral galega é um dos marcos da cristandade. Pode não ser a maior (São Pedro). Pode não ser a mais bonita (Chartres). Pode nem mesmo ser a mais imponente (Notre Dame). Mas, mesmo assim, a Catedral de Santiago de Compostela  é disparado a que mais emociona.

Emociona, por óbvio, os peregrinos. Ao chegarem da estafante jornada pietonal, cansados, a visão da imponente Catedral pairando sobre o planalto da Galícia é uma recompensa mais do que merecida para quem enfrentou os limites do próprio corpo para, de certo modo, conhecer a si mesmo durante o percurso. Mal comparando, acredito que os peregrinos sintam-se um pouco como Jó: submetidos às piores provações para depois serem premiados pelo Todo-Poderoso por seguirem acreditando.

Emociona, também, aqueles que, mesmo sem percorrerem o Caminho, apenas vêm para visitar Santiago de Compostela, uma pequena e pacata cidade medieval encravada no norte da Espanha, conhecida pela hospitalidade do seu povo e pelo charme de suas construções históricas.

Antes do atual edifício, situava-se no lugar uma pequena catedral, muito mais acanhada do que a atual, erguida onde supostamente se encontraram os restos mortais do apóstolo Santiago. Segundo a lenda, ele teria sido responsável por evangelizar a Península Ibérica, e lá teria morrido após cumprir a missão confiada por Jesus Cristo.

A Catedral de Santiago de Compostela é um dos melhores exemplos da arquitetura romântica, predecessora do estilo predominante da Baixa Idade Média: o gótico. A Catedral segue a estrutura de uma cruz, com uma grande nave central, ladeada por pequenas capelas onde os fiéis poderiam rezar quando não houvesse as celebrações ordinárias.

Dentro da Igreja, a grande atração é o altar maior, onde há uma representação ricamente da figura de Santiago. Os peregrinos e os visitantes da Catedral podem entrar por uma breve passagem que existe por detrás do altar, que conduz até as costas da imagem. Segundo a tradição, deve-se abraçar a imagem ao chegar lá. Penso eu que deve ser uma forma de ao mesmo tempo agradecer e prestar homenagem ao Santo.

Altar Maior

Reza a lenda que a Catedral fica mais bonita em dias de chuva, o que é irritantemente uma constante em Santiago. De fato, a Catedral fica mais bonita molhada. Não por outra coisa mas, segundo penso, porque a água ajuda a disfarçar as manchas trazidas pela idade ao majestoso edifício.

Se você tiver disposição e coragem suficiente para fazer o Caminho de Santiago, invariavelmente vai acabar conhecendo a Catedral. Se não for o caso, se um dia você for a Portugal ou à Espanha, não deixe de dar uma esticadinha até a Galícia. Afinal, se há mais de um milênio peregrinos do mundo todo caminham centenas de quilômetros até chegar lá, deve haver uma boa razão para isso.

Esse post foi publicado em Arquitetura, Dicas de viagem, Religião e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.