O professor engraçadinho

Na Faculdade e nas escolas em geral, há geralmente dois tipos de professores: os bons e os maus. Os primeiros dominam o conteúdo como ninguém, atraem o público e são populares no alunato. Já os segundos enrolam que é uma beleza, não cativam ninguém e só conseguem despertar ódio por onde passam. A estes últimos, por óbvio, compete o papel de carrascos ou “rasga-becas”, como se diz no ensino superior. O que pouca gente sabe é que, no meio desse embate épico entre esses dois tipos, às vezes surge uma terceira classe de professores: os “engraçadinhos”.

Geralmente medíocres, quase sempre desprovidos de qualquer carisma, os “engraçadinhos” querem posar de legais com a galera, mas essa máscara é sobretudo disfarce. Na hora da prova, costumam meter o fumo nos alunos. As reclamações são quase sempre ignoradas com comentários ríspidos, acompanhados por um sorrisinho irônico e um olhar do tipo “cuidado, se não vou te marcar!”.

Como os “engraçadinhos”, ao contrário dos bons professores, não nascem com o dom de perceber a hora em que devem fazer piada, acabam forçando a barra na primeira oportunidade que aparece. E, quando isso acontece, normalmente se dão mal.

Certa vez, o professor “engraçadinho” fazia a chamada na sala de aula. Entre os alunos, um sujeito cujo sobrenome destoa do comum: “Maximus”. Embora a admiração com o sobrenome sempre tivesse sobrepujado as brincadeiras a seu respeito, o então recém-lançado Gladiador tinha elevado seu antes incomum apelido à condição de pule de dez na boca do povo. As constantes referências à personagem de Russell Crowe já tinham dado no saco. Pra piorar, o cidadão nunca foi conhecido pela sua paciência. Ao contrário. A ascendência pernambucana sempre lhe dera um certo ar explosivo, como se estivesse à beira de uma ataque de fúria a cada vírgula.

“Fulano”, chamava o professor.

“Presente”, respondia um aluno.

“Cicrano”, seguia o engraçadinho.

“Presente”, respondeu outro aluno.

“Beltrano Maximus!”, exclamou o docente, acentuando o sobrenome da figura.

“Presente”, respondeu o aluno com certo ar de enfado.

“Você que é o… Gladiador?”, perguntou jocosamente o engraçadinho.

“Não, professor. O senhor está enganado. Na verdade, eu trabalhei no Cabaré da Aparecida, sua mãe”.

Metade da sala, incrédula, caiu no riso. A outra metade, igualmente estupefata, travou na cadeira, sem acreditar no que o aluno dissera. E o professor, amuado, nunca mais voltou a tocar no assunto.

Caso encerrado.

Anúncios
Esse post foi publicado em Crônicas do cotidiano e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s