Novas opções de hospedagem

Deixando de lado um pouco a pesada agenda política brasileira, que tem praticamente monopolizado as atenções aqui do Blog, vamos tornar o ambiente mais leve resgatando uma das seções mais veneradas deste espaço: as Dicas de Viagem.

Viajar é sempre um prazer, ninguém discute. Mas, como a maioria sabe, escolher um mau lugar para dormir pode transformar o deleite em tormento, detonando seu humor e destruindo qualquer possibilidade de desfrute genuíno do seu período de descanso.

Justamente por causa disso, depois das passagens o item que mais pesa no orçamento das pessoas em geral é a hospedagem. Quando se tem 16 anos e tudo é uma aventura, ficar em hostels ou albergues não chega a ser exatamente uma experiência desagradável. Isso, claro, para não falar de quem gosta de viajar precisamente para ficar em um albergue ou hostel ao lado de outros jovens exalando hormônios por todos os poros, if you know what I mean.

Mas, a partir de certa idade, as farras começam a pesar mais sobre o corpo e cobram uma pesada fatura de quem se dispõe a “dormir em qualquer lugar”. Além disso, a idade geralmente traz consigo também um(a) companheiro(a) de viagem. E só mesmo quem é muito doido ou muquirana para hospedar seu par romântico numa hospedaria cheia de adolescentes.

Por muito tempo, a única alternativa para quem desejava viajar acompanhado eram os hotéis. Caros ou baratos, luxuosos ou acanhados, com nenhuma ou com 7 estrelas, só restava ao viajante escolher um desses estabelecimentos para ficar. Agora, não mais.

Já há algum tempo, surgiu na Internet um novo modo de se hospedar em viagens pelo Brasil e pelo exterior. Chamado de Airbnb, o site permite que você se estabeleça na casa de outra pessoa, e não em um estabelecimento comercial, como são os hotéis.

O processo de escolha é mais ou menos o mesmo dos hotéis tradicionais. Escolhe-se por área, por lugar e por preço. A diferença, no entanto, reside em dois fatores: primeiro, você pode escolher alugar somente um quarto na casa de alguém (pra quem tem limitações orçamentárias e não tem problema em compartilhar a habitação com estranhos); segundo, dificilmente você conseguirá alugar um quarto, uma casa ou um apartamento por somente um dia. A maioria das pessoas que disponibiliza suas propriedades para aluguel impõe restrição de datas, isto é, estabelece que você deve ficar no mínimo alguns dias, para justificar a estadia. No geral, esse período varia entre 2 e 5 dias.

Apesar dessa desvantagem, os benefícios em geral compensam. Para quem viaja em grupo, por exemplo, é possível alugar um apartamento inteiro, moderno e bem localizado em Londres ou Paris por “módicos” EU$ 150,00. Numa residência para quatro pessoas, a diária sairia por aproximadamente EU$ 75,00 o casal, preço que, em Londres ou Paris, equivale a uma espelunca de quinta categoria, nos arredores da cidade.

Fora isso, o aluguel de um apartamento ou de uma casa inteira ainda traz consigo algumas vantagens adicionais. De cara, você fica com a cozinha à disposição, o que lhe permite economizar horrores com refeições externas (café-da-manhã, almoço e jantar), além de permitir também o manejo adequado de alimentos para quem tem restrições alimentares (e não pode comer em qualquer lugar). Fora a cozinha, você “ganha” também outros itens muito úteis, especialmente em viagens longas, como máquina de lavar, tábua e ferro para passar a roupa. Lavanderia de hotel, portanto, nunca mais.

Uma outra vantagem que o Airbnb oferece é bem prosaica, mas faz grande diferença no final das contas. O site permite que você faça o pagamento via cartão de crédito em moeda local, ou seja, em reais. Logo, ao contrário dos outros sites, você não pagará nada de IOF, o que já lhe salva 6,38% sobre o total da estada. E o que é melhor. Em razão dos preços boçais praticados na Cidade Maravilhosa (por conta das Olimpíadas), o site está parcelando os preços em 3 vezes. Confesso, no entanto, que não sei se essa promoção durará depois do segundo semestre.

Para evitar entrar em roubadas, uma dica importante é procurar observar nos quartos e apartamentos que você buscar os comentários acerca dos donos das propriedades. Assim como no TripAdvisor, cada pessoa que viaja e se hospeda numa casa alheia é convidada a comentar sua estadia. Se o sujeito for boa praça, tudo certo. Se não…

Mas cuidado. A regra dos comentários é uma via de mão dupla. Quando você se inscreve no site, é necessário criar um perfil para si mesmo. E, do mesmo modo que você comenta as propriedades nas quais se hospeda, os seus anfitriões farão o mesmo com você. Por isso, nem pense em deixar a casa de pernas pro ar ao sair, muito menos de afanar qualquer item que guarneça a residência (isso vale para qualquer ocasião, é claro).

Em tempos de crise econômica e de dólar alto, qualquer jeitinho que se possa dar para poder viajar por aí e afastar a cabeça dos problemas que angustiam o Brasil vale ouro. Fica, pois, a dica para os futuros viajantes.

Porque desopilar é preciso.

Anúncios
Esse post foi publicado em Dicas de viagem e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s