Recordar é viver: “As origens da I Guerra Mundial”

A seção de História sempre foi um ponto alto deste espaço. Não por acaso, houve semanas dedicadas inteiramente a ela.

Como a seção anda meio esquecida por aqui, vamos relembrar um de seus primeiros e mais celebrados posts.

Porque, como todo mundo sabe, recordar é viver…

As origens da I Guerra Mundial

Publicado originalmente em 18.4.11

 

Há muito tempo o Moura Grande me cobrava esse post. O problema é que o tempo – sempre escasso – nunca me deixava sentar para escrevê-lo. Mas hoje, com um pouquinho de ajuda da sorte, ei-lo:

Todo mundo aprende da escola que a I Guerra Mundial começo quando um estudante sérvio assassinou em um atentado o herdeiro do trono Austro-Húngaro, o arquiduque Francisco Ferdinando. Depois do fim da guerra, foram entrevistar o sujeito que o assassinara. Perguntaram algo mais ou menos assim:

“Como você se sente sendo responsável direto pela morte de 50 milhões de pessoas?”

E ele:

“Eu nunca poderia imaginar que fosse terminar naquilo”.

Não podia mesmo.

Pra explicar como começou a I Guerra Mundial, é preciso voltar um pouco no tempo.

Quem leu o post sobre Bismark, sabe que a Alemanha deu uma sova nos franceses na guerra-franco prussiana (1970). Ao fim da guerra, a Alemanha colocou condições humilhantes para a rendição francesa. Entre elas, a que mais doía nos franceses era a perda da região da Alsácia-Lorena, ao leste francês, para os alemães. Desde sempre, os franceses queriam vingança.

Depois da unificação alemã, o país germânico começou sua escalada rumo ao desenvolvimento. Com uma população grande, bem educada, e com recursos naturais suficientes para a empreitada, os alemães começaram a ameaçar a hegemonia européia, sempre disputada entre França e Inglaterra.

Os ingleses, que eram uma ilha não só geograficamente mas politicamente, não queriam nada com a Europa. Por eles, o continente inteiro poderia se danar, desde que não surgisse uma potência que pudesse rivalizar consigo, especialmente nos mares, o grande filão da época. (Só para se ter uma idéia, em meado do séc XIX, a armada inglesa, sozinha, era maior do que todas as outras somadas).

O pano de fundo, como sempre, era a capacidade de possuir e explorar colônias no além-mar, principalmente na África. Quem detivesse o domínio da Europa, mandaria no mundo, eis o raciocínio que todos faziam à época.

Vendo a ascensão alemã, os ingleses começaram a coçar a cabeça. A corrida armamentista iniciada pela Alemanha tinha feito com que a supremacia britânica estivesse a perigo. Isso produziu um dos resultados mais inesperados de todos os tempos: pra fazer frente à Alemanha, a Inglaterra aliou-se à França, seu rival histórico, contra a qual travara uma centena de guerras desde sempre. Ambos, à época, eram os maiores colonizadores do mundo, isto é, eram os países que tinham mais colônias sob seu jugo.

Pra não deixar por menos, os alemães resolveram se aliar aos seus antigos rivais, os austríacos. Sabendo das lutas fratricidas que corroíam as entranhas do Império Austro-Hungáro, a Alemanha sabia que, numa união com a Áustria, continuaria exercendo o papel de protagonista.

Também insatisfeita com a “repartição” do mundo entre Inglaterra e França, a Itália resolveu se aliar aos alemães e aos austríacos, esperando que, de uma eventual guerra, pudesse tirar algum proveito (leia-se: obter colônias ultramarinas). Estava formada, pois, a Tríplica Aliança.

Pra equilibrar o jogo, ingleses e franceses foram atrás de um novo parceiro, pra intimidar os alemães. Escolheram um que supunham ser bastante intimidador: a Rússia. (Mal sabiam eles que a Rússia estava prestes a explodir na Revolução de Outubro). Formava-se, então, a Tríplice Entente.

E qual era a Rússia nessa história? O que é que ela tinha a ganhar com isso?

Seguinte: à Rússia não interessava uma Alemanha forte como vizinha. Os russos viam os alemães como concorrentes na disputa pela hegemonia no leste europeu. Além disso, os russos e seu pan-eslavismo queriam reunir sob uma só bandeira todos os povos eslavos, aí incluídos os que se encontravam nos balcãs. Para o infortúnio de todos, os balcãs se encontravam no meio do Império Austro-Húngaro, aliado dos alemães.  Ou seja: uma aliança contra a Alemanha era duplamente justificável.

Já para os ingleses e franceses, aliar-se à Rússia tinha dois propósitos: primeiro, juntar o maior (e mais despreparado) exército em contingente humano do continente; segundo, intimidar os alemães com a ameaça de uma “guerra em duas frentes”: ao oeste, contra os franceses e ingleses, e ao leste, contra os russos.

Armada a barraca, daí para o estopim foi um pulo. Todo mundo queria a guerra. Era necessário só um pretexto. E foi isso que um estudante sérvio de 19 anos, Gavrilo Princip, deu a eles.

Os sérvios lutavam por independência e contra opressão do Império Austro-Húngaro. Sérvia e Bósnia haviam sido anexadas em 1908, e não estavam nem um pouco satisfeitas com isso. Gavrilo Princip achou uma boa idéia assassinar o herdeiro do trono austríaco como forma de, digamos, “mostrar descontentamento”. Sem querer, deu início àquele que seria o maior conflito da história.

A Áustria culpou a Sérvia pelo assassinato. Como “reparação”, exigiu uma série de coisas, incluindo autorização para que a polícia austríaca participasse das investigações e implementasse a punição aos culpados. A Sérvia concordou com todas, menos esta. Foi o bastante para a Áustria declarar-lhe a guerra.

Em socorro da Sérvia, a Rússia declarou guerra ao Império Austro-húngaro. Isso gerou um verdadeiro efeito dominó: em resposta à declaração de guerra, o Império Austro-Húngaro e seus aliados, Alemanha e Itália, declararam guerra à Rússia. Por força dos acordos que formaram a Tríplica Entente, Inglaterra e França declararam guerra aos países da Tríplice Aliança.

A Belle Époque chegava ao fim. O horror que se seguiria a ela não era imaginado por ninguém. Segundo os estatísticos, os mortos na I Guerra Mundial superaram todos aqueles que tinham morrido em todas as guerras anteriores da humanidade.

Olhando-se agora, a guerra era inevitável. Mas a sua inevitabilidade só foi descoberta depois.

Esse post foi publicado em Recordar é viver e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.