Os 1000 primeiros dias do bebê

Criar filhos é um desafio, ninguém duvida. Ainda mais numa época como a nossa, em que o tempo escasseia mais do que o dinheiro na conta e as atribulações da vida acabam por impedir que dediquemos aos miúdos a atenção que eles precisam e merecem. O que pouca gente sabe é que a fase mais importante da vida de um filho não é a infância, nem a sempre turbulenta adolescência. São os 1000 primeiros dias do bebê.

A contagem dos 1000 primeiros dias começa antes mesmo do bebê nascer. E você não imaginou mal: eles começam justamente no ventre da mãe. São naqueles 9-10 meses nos quais o feto se desenvolve dentro do útero materno que se passam os momentos mais críticos para o desenvolvimento infantil. Tudo, absolutamente tudo que acontecer com a mãe vai se refletir no filho. Se a mãe fumar, beber, se estressar ou comer em demasia, o feto sentirá de algum modo as consequências.

O problema, no entanto, não pára por aí. É nos dois primeiros anos que metade, simplesmente metade, do desenvolvimento cerebral daquela pessoinha que acabou de vir ao mundo vai acontecer. Portanto, é nessa fase que os estímulos sensoriais, a atenção e mesmo a noção de mundo que a criança tem a partir da percepção do ambiente familiar se farão mais sentir quando o infante tornar-se um adulto. Como esses dois anos perfazem em média 720 dias, somando-se estes aos 280 arredondados da gestação, chega-se então aos famosos “1000 primeiros dias do bebê”.

E não é difícil imaginar a correlação entre um adulto mental e fisicamente saudável e um bebê bem criado. Uma criança estimulada desenvolve mais conexões neurais, aumentando a capacidade de aprendizado e tornando o cérebro flexível para realizar as mais diversas tarefas. Fora isso, é dentro do ambiente familiar que a criança vai começar a desenvolver sua visão de mundo. Se os pais forem presentes e derem constante atenção, a criança se tornará um adulto emocionalmente seguro, pois terá sido criada dentro de um contexto no qual o afeto e o carinho darão o tom dominante. Se, ao contrário, o cenário for de ausência e, o que é pior, violência, será exatamente esse tipo de comportamento que a criança reproduzirá quando chegar à fase adulta.

Infelizmente, contudo, a importância desse período do desenvolvimento infantil tem sido cada vez mais ignorada e até mesmo marginalizada por pais e educadores. Não raro, encontram-se pais que terceirizam a educação dos filhos a babás ou, o que é ainda pior, a creches. Além de expor as crianças a pessoas que, por melhor que sejam, não possuem a mesma criação e noção de valores dos pais, o próprio processo de firmação da identidade paterna acaba por se perder quando os pais não assumem o papel de protagonistas na criação dos rebentos.

É óbvio que nem todos podem optar por uma criação mais dedicada aos filhos. Seja por questões financeiras (às vezes são necessários os salários de ambos os pais para completar o orçamento da casa), seja por questões profissionais (nem sempre o sujeito tem como tirar um tempo do trabalho para se dedicar à paternidade), o fato é que é cada vez menor o número de pais que tomam para si a sublime tarefa de cuidar de suas crias. Por isso mesmo, não há aqui a menor pretensão de fazer com que quem esteja nessa situação se sinta culpado por não conseguir fazer o que outras pessoas fazem.

Na verdade, a intenção deste texto é fazer com que aqueles que podem reflitam sobre a ordem de prioridades em sua vida. Às vezes, mais vale adiar aquela tão sonhada viagem para a Europa e passar mais tempo com seus filhos do que morrer de trabalhar para vê-los criados por outras pessoas. Se pelo menos uma pessoa já mudar de idéia quanto a isso, terei me pagado da tarefa a que me propus.

E acredite: seus filhos, penhoradamente, agradecerão.

Anúncios
Esse post foi publicado em Variedades e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Os 1000 primeiros dias do bebê

  1. Muito bom texto meu amigo! Instrua a criança no caminho que se deve andar, e mesmo com idade, guardará a instrução dos pais.
    Não há dúvida, que mais da metade dos problemas do nosso país, surgiram da falta de atenção à esses 1000 dias por você aqui citado.
    Tenho dois filhos, 15 e 5 anos, e meu primeiro foi gerado fora da fé que hoje creio (Cristo), e percebemos diferença em relação ao mais novo, que já foi gerado no ambiente cristão (independente de religião, a maneira como tratamos nossos filhos ainda no útero fará toda diferença).
    Passarei adiante seu texto, para que mais pessoas possam atentar para tão importante ofício: ser pai e mãe.
    Sempre tive a visão de creche um tanto preocupante, não porque seja um local perigoso, mais por nossos filhos passarem longos períodos da semana em um ambiente com pessoas diferentes do nosso ponto de vista da vida, e isso, na fase mais importante dos nossos filhos.
    Novamente, parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.