Mesóclises? Evitá-las-ei, ou Os problemas da colocação pronominal

Faz tempo que a seção preferida da Icsa não dá as caras por aqui. Por isso, e também para manter o sentido de utilidade pública deste espaço, voltemos à nossa velha e boa língua portuguesa.

O tema de hoje diz respeito a uma das coisas mais simples e mais mal explicadas da língua de Camões: a mesóclise.

Não só ela, mas a colocação pronominal em seu conjunto é um dos fantasmas que mais atormenta as pessoas. Os jovens, na época de provas e no vestibular. Os adultos, na hora de escrever textos formais. No entanto, se as pessoas sabem mais ou menos bem quando usar a próclise – quando o pronome pessoal oblíquo átono vem no começo – e a ênclise – quando ele vem no final -, ninguém consegue entender direito quando deve usar a mesóclise.

O primeiro passo para entender a mesóclise é óbvio, e o próprio nome indica. Haverá mesóclise quando o pronome pessoal oblíquo átono vir intercalado entre o verbo e a sua  terminação verbal. Um exemplo clássico: dize-me com quem andas (ênclise) e dir-te-ei quem és (mesóclise).

O segundo passo é procurar entender quando se usa a mesóclise. Para isso, você haverá de se lembrar que a regra é a ênclise, isto é, o pronome colocado depois do verbo. Ex: Assim que Fulana chegar, diga-lhe para me ligar. A próclise, ou seja, a colocação do pronome antes do verbo depende de partículas atrativas, como as palavras de sentido negativo. Ex: Não se faz uma coisa dessas. Ou ainda: Jamais me diga para fazer o que não quero.

Pois bem. Sendo a ênclise a regra, quando é que se vai utilizar a mesóclise?

Basicamente, utiliza-se a mesóclise em todos os casos de ênclise, mas nos quais os verbos estejam conjugados ou no futuro do presente ou no futuro do pretérito. Ex: A música? Cantá-la-ei quando estiver ébrio. Ou então: O trabalho? Fá-lo-ei amanhã.

Mas é justamente aí que a porca entorta o rabo para a maioria das pessoas. Todo mundo fica meio encucado quando chega a hora de formar o verbo colocando o pronome oblíquo átono entre o verbo e a terminação verbal. Para desespero geral, grande parte dos professores de português não ensina uma regra simples, que ajuda horrores na hora de formar corretamente a mesóclise.

Tudo passa pela noção de que o futuro do presente e o futuro do pretérito tem como primos distantes os tempos compostos. Há muito tempo, a linguagem corrente diria que “Eu hei de fazer alguma coisa”, e não que “Eu farei alguma coisa”. Formava-se o verbo no futuro a partir da variação do verbo auxiliar haver. Ex: Ela há de ser uma grande pessoa. Ou ainda: Nós haveremos de ser campeões. Com o tempo, claro, os tempos do modo indicativo acabaram por se impor na linguagem corrente, de maneira que as pessoas passaram a falar “Ela será uma grande pessoa” ou “Nós seremos campeões”.

Pois bem. Sabendo isso, para formar corretamente uma mesóclise, basta entender que o antigo verbo auxiliar haver dos tempos compostos é jogado para o final do verbo. Melhor explicando: forma-se uma ênclise com o verbo e o pronome oblíquo e depois se coloca o verbo auxiliar haver conjugado, mas sem o “h”.

Explicando assim pode parecer difícil, mas um exemplo mostrará como a coisa fica fácil. Vejamos o primeiro caso citado, o do “dir-te-ei”.

Antigamente, numa conversa corrente, o sujeito diria: “Hei de dizer-te”. Para formar a mesóclise, basta pegar o “hei” e lançar para depois do “dizer-te”, retirando-se o “h”. Assim, tem-se o “dir-te-ei”.

Outro exemplo: “Comer pouco angustiar-te-á”. Lembrando a antiga forma de conjugação, teríamos: “Comer pouco há de angustiar-te”. Joga-se o “há” sem o “h” para depois de “angustiar-te” e ter-se-á (que beleza!) “angustiar-te-á”.

A mesma regra e dica se aplicam aos verbos conjugados no futuro do pretério. Só que, nesse caso, pega-se apenas a terminação verbal do auxiliar. Exemplo: “Procurar-me-iam se estivesse perdido” torna-se “Haveriam de me procurar se estivesse perdido”. Retira-se o “haver” e se joga o “iam” para depois de “procurar-me” e se terá “procurar-me-iam”.

Pronto. Viram como não é tão difícil?

Espero que vos tenha ajudado a superar esse pequeno trauma do ensino secundário.

Esse post foi publicado em Dicas de português e marcado , , , . Guardar link permanente.

42 respostas para Mesóclises? Evitá-las-ei, ou Os problemas da colocação pronominal

  1. Mourão disse:

    Boa explicação, meu caro Senador. Observo porém que no Português do Brasil, prevalece a próclise e não a ênclise.

    • Claudia Carvalho disse:

      Mourão, no Brasil somente pode prevalecer a mesóclise em casos que é facultativo usar a próclise ou mesóclise, todo o demais é erro gramatical.

  2. percy silva disse:

    Muito bom!!

  3. EU SOUBE QUE SE USAR MESÓCLISE EM REDAÇÕES PERDE PONTO. E O TEMER FALOU UM DIA DESSES.

  4. Shirley Nominato disse:

    “…mas guardá-las-ei na lembrança e as levarei comigo” esta construção está correta?

  5. Shirley Nominato disse:

    Gostaria de saber com certa urgência se a construção “,….mas guardá-las-ei na lembrança e as levarei comigo” está correta?

  6. carinha da mesóclise disse:

    Gosto muito dessa ferramenta da nossa língua. Afinal, é muito mais simples dizer “beijá-la-ei” do que falar “vou beijar ela”. Pena que poucos entendem, então evito… 😦

  7. Albert Garland disse:

    Os AMIGOS apoiá-los-ei ou apoiá-lo-ei sempre, e por quê?

    • arthurmaximus disse:

      Primeiro, Albert, é necessário colocar uma vírgula entre “Os AMIGOS” e o restante da frase, já que se trata de um objeto direto pleonástico.
      Dito isto, o correto é “Os AMIGOS, apoiá-los-ei sempre”. A razão é porque o objeto direto refere-se a “Os AMIGOS”. Logo, sendo plural, o pronome oblíquo correspondente deve também ser flexionado no plural: “os”. Por razões de eufonia, coloca-se um “l” antes de “os”. Assim, chega-se a “apoiá-los-ei”. Um abraço.

  8. RAFAEL disse:

    Uma dúvida: “Quando se usa tal coisa? Usá-la-ás quando necessário.” Essa “usá-la-ás” com os dois acentos está correta?

    • arthurmaximus disse:

      Está correta, sim, Rafael. É um dos casos mais interessantes da língua portuguesa, que normalmente não contém palavras com dois acentos. Nesse caso, como você deve ter percebido, a primeira parte deve terminar com acento agudo no ‘a’ (usá), e o final deve encerrar com ‘ás´(supondo que você esteja se referindo à segunda pessoal do singular). Nesse caso, isso se dá por se considerar a expressão como um todo como uma palavra composta. Por isso, a aceitação excepcional de dois acentos. Um abraço.

  9. Diego disse:

    Ótima explicação! Texto extremamente claro, exemplos utilizáveis no dia a dia e ótima menção a forma da linguagem entre o passado e o presente.

  10. Marina disse:

    Urgente! pode ter dois acentos? como no seguinte caso: “levará o Jorge?” –> levá-lo-á
    é assim mesmo? ou estou fazendo a colocação de forma incorreta?

  11. Marina disse:

    Já vi que responderam isso antes!!! perdão!!!
    Abraço e obrigada por essa informação

    • arthurmaximus disse:

      Que bom, Marina. Estamos aqui para ajudar. Um abraço.

      • Maria das Neves Rocha disse:

        Dizem que na redação do ENEM não pode usar mesóclise. Daria para enviar interpretação de texto, que não consigo fazer só quando leio mais de mil vezes e em concurso não dá tempo.

        Enviado do Outlook

        ________________________________

  12. Marcelo Schlindwein disse:

    Você mistura no seu texto duas formas distintas de construção da mesóclise, uma sem o “r” depois do verbo (“cantá-la-ei”) e outra com o “r” (“procurar-me-iam”). No meu entender, a forma correta mantém o r: cantar-la-ei. Gostaria de ouvir sua explicação sobre esse fato. Obrigado.

    • arthurmaximus disse:

      Negativo, Marcelo. Além disso, a “forma correta” que você indica está completamente errada, porque o verbo “cantar” está no infinito, quando a construção exige sua conjugação. Daí o “cantá-la-ei”. Um abraço.

      • Marcelo Schlindwein disse:

        Então, por favor, explique-me por que você usa as duas formas, como exemplifiquei acima, no seu texto.

      • Marcelo Schlindwein disse:

        Você usou também “angustiar-te-á” e procurar-me-iam”…

      • arthurmaximus disse:

        Os verbos e o tempo da conjugação são diferentes, Marcelo. Só isso. Um abraço.

      • Marcelo Schlindwein disse:

        Hã?? Cantar-la-ei e angustiar-te-á estão ambos no futuro do presente! A mesóclise só pode ser usada no futuro do presente ou do pretérito. Continuo sem entender por que você escreveu, então, “cantá-la-ei” sem “r” e “angustiar-te-á” com “r”, se ambos os verbos estão no futuro do presente do Indicativo…

      • arthurmaximus disse:

        Os sentidos das duas frases são distintos, Marcelo. Basta ver que, no caso do exemplo de cantar, há a referência a “música”, o que implica a necessidade do pronome oblíquo “a” (“la”, nesse caso). Por isso na formação da mesóclise o correto, nesse exemplo, é “cantá-la-ei”, e não “cantar-la-ei”.

    • Vítor disse:

      Marcelo Schlindwein, essa dúvida é válida e pertinente. Na verdade, esse R final é eliminado se o objeto for O, OS, A ou AS, que são escritos como LO, LOS, LA, LAS.
      Por exemplo:
      procurarão –> Procurar-me-ão — Procurar-te-ão — Procurá-lo-ão.
      amarei –> Amar-me-ei — Amar-te-ei — Amá-la-ei
      dirás –> dir-me-ás — dir-te-ás — di-lo-ás

  13. Atila Oliveira disse:

    Janio Quadros, quando lhe perguntaram sobre os motivos de sua renúncia, disse: “Fi-lo porque qui-lo”. Está certo ?
    Obrigado de antemão pela resposta.

  14. AninaiZ disse:

    Muito interessante essa dica do “haver”… gostei.

    Só achei que faltou explicação para quando a primeira parte não fica no “infinitivo”. Por exemplo: de onde vem o “evitá-los-ei”? a explicação está mais votada para surgir algo como “evitar-los-ei”.

    Fiquei na dúvida.

  15. Haroldo Castelo disse:

    Texto esclarecedor. Comentários pertinentes. E sem querer ser impertinente, penso que há um erro de digitação no parágrafo 10. Escreveu-se “colocar” ao invés de “coloca”, em ‘”forma-se uma ênclise com o verbo e o pronome oblíquo e depois se colocar o verbo auxiliar haver conjugado, mas sem o ‘h’ “. Confere?

  16. PAULO disse:

    Infelizmente não passou despercebido que o autor desse texto também não conhece profundamente o uso da conjugação que deseja explicar. Além de cometer erros crassos gramaticais: “…do pretérito TÊM como …” é com acento no E!!

    • arthurmaximus disse:

      Uma coisa são erros de português, Paulo. Outra coisa são erros de digitação ou lapsos de escrita que acabam passando despercebidos na hora em que nos pomos a escrever. Quem é inteligente sabe diferenciar uma coisa da outra. #FicaaDica

  17. Tagore disse:

    Maravilha!

  18. Maria Lucia disse:

    Excelente texto! Acrescento apenas q há um erro na conjugacao do verbo “vir” no início do texto, onde o correto seria: vier!

  19. Marcelo Schlindwein disse:

    “… é um dos fantasmas que mais atormentaM as pessoas.” 😉

    • arthurmaximus disse:

      Nesse caso, a norma culta admite a conjugação do verbo tanto no singular quanto no plural, Marcelo. Eu, particularmente, acho que fica mais elegante no singular, mas respeito quem pensa diferente. Um abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.